post

GRAND CANYON, O ÚLTIMO PARQUE

Chegamos ao Grand Canyon National Park, no Arizona, onde acampamos nossas últimas três noites nestas férias. Este é o parque mais conhecido, e talvez mais visitado, dos Estados Unidos.

Grand Canyon Nt Park

Ficamos na margem norte (north rim) do canyon, mais alta, mais isolada, mais remota. Mais bonita? Difícil dizer. Vamos ter que voltar para verificar melhor e responder.

Grand Canyon Nt Park

Ao todo, rodamos 8 mil quilômetros. Pena que as férias acabaram.
Até a próxima.
Anúncios
post

BRYCE CANYON NATIONAL PARK

Partimos para o Bryce Canyon National Park, conhecido nos Estados Unidos como um dos mais belos parques do país. Chamam de “anfiteatro” este conjunto de formas e picos espalhados numa grande área circular.

Bryce Canyon Nt Park

O parque está em terra privada, o que torna tudo em volta caro e monopólio de uma só familia – hoteis, restaurantes, camping, supermercado, posto de gasolina… coisas dos Estados Unidos.
post

CAPITOL REEF NATIONAL PARK

Capitol Reef Nt Park

Nosso próximo destino foi o Capitol Reef National Park, onde acampamos três noites, ao som dos coyotes. Nos arredores do parque passamos de carro por uma das mais lindas trilhas de toda a viagem: a Burr Trail, cerca de 120 quilômetros em pleno deserto, entre morros e paredes de pedra.

Burr Trail

No dia seguinte pegamos o outro lado desta estrada, a Highway 12, construida sobre uma crista de serra estreita e alta entre dois vales profundos. Esta estrada tem a fama de ser o caminho mais bonito dos Estados Unidos.

post

ARCHES NATIONAL PARK

Apenas 100 km adiante, chegamos no Arches National Park. São Arcos, colunas e monumentos de pedra que resultaram de erosão pelas raras chuvas e ventos fortes, por milhares de anos. Diferentes camadas de rocha se desgastando continuamente em diferentes velocidades formam o cenário.

Arches National Park

O que hoje é um deserto – com árvores retorcidas e precipícios em labirinto – já foi mar, já foi floresta. São milhões de anos de história geológica expostos ao ar livre.

Arches National Park
post

CANYONLANDS NATIONAL PARK

Achávamos que asfaltaram os Estados Unidos inteiro. Não havíamos ainda encontrado caminhos de terra. Mas enfim, no Canyonlands National Park, lavamos a égua, ou melhor, a ONÇA.

Canyonlands Natinal Parak

Saímos de Black Canyon rumo oeste para entrar no paraíso dos jipeiros de Utah.

Acampamos num lugar bastante retirado nos confins do parque. Para chegar lá atravessamos pirambeiras muito técnicas. O ângulo de saída da ONÇA era pequeno para enfrentar as valetas.

Canyonlands National Park

Na volta estouramos um amortecedor e tivemos que voltar para a civilização atrás de conserto.
post

BLACK CANYON OF THE GUNNISON NATIONAL PARK

Deixamos Rocky Mountain para trás e fomos para o Black Canyon of the Gunnison National Park. Este parque foi criado para preservar e proteger o cânion que o Rio Gunnison esculpiu na rocha nos útimos não sabemos quantos milhões de anos. Aquela estória, água mole em pedra dura…

Black Canyon Nt Park

Na foto vê-se o Rio Gunnison lá em baixo e um paredão de pedra com cerca de 700 metros de altura acima dele. Ficamos abismados!

Já estamos no deserto americano, terra de Malboro, temperatura varindo entre 10 e 40 Celsius, mas às margens do rio tudo é verde, o que torna a paisage ainda mais bonita.

post

ROCKY MOUNTAIN NATIONAL PARK

Rocky Mountain National Park

Maria, Rita e eu morávamos em Lawrence, Kansas, em 2010. Em maio saímos para percorrer alguns parques de uma região lindíssima e pouco conhecida no Brasil: o Colarado Plateau.

O Colorado Plateau é um planalto que abrange parte dos estados do Colorado, Utah, Arizona e Novo México. Segundo contam, há n milhões de anos era um mar. Mas n-x milhões de anos atrás o fundo desse mar se elevou cerca de 3 mil metros formando um imenso deserto. Nele, a ação do vento e da água por outros milhões de anos desenhou uma das paisagens mais espetaculares do planeta.

O primeiro parque visitado foi o Rocky Mountain National Park. O deserto ainda não começou. Era maio. Apesar de quase estarmos no verão, a temperatura variou entre -5 e 10 Celsius, nevando boa parte do tempo.

De dia a rotina era caminhar por vales e florestas de pinheiros. À noite, fogueira, vinho e um bom churrasquinho de hamburguer (sorry!).