post

ALGUM CORDEIRO PRECISA CONTINUAR CAMINHANDO…

Devido à sua grande inacessibilidade, a Cordillera Huayhuash é uma das mais isoladas e pouco habitadas regiões do planeta.

20160710_Huayhuash_Pisco_2016_1130

Anoitecer em um dos acampamentos

Percorre-la em seu todo significa uma dura caminhada de cerca de dez dias por 180 km de trilhas sempre acima de 4 mil metros de altitude, cruzando passos que chegam a 5 mil metros.

20160708_Huayhuash_Pisco_2016_1185

Caminhando ao lado do grande Siula Grande

E todo esse esforço vale a pena! A Cordillera Huayhuash é de extrema beleza. A conceituada publicação Lonely Planet chama a Cordillera Huayhuash de “best alpine trek in the world”, uma deliciosa provocação para os que consideram alpino apenas o que está nos Alpes.

20160708_Huayhuash_Pisco_2016_1188

Entre picos nevados e lagunas

De fato, a Cordillera Huayhuash fica incrustada nos Andes peruanos. Numa viagem de 8 horas de ônibus a partir de Lima, rumo nordeste, chega-se à cidade de Huaraz, capital do andinismo peruano. De lá, a cordilheira é acessível após três horas de caminhonete trafegando em um longo e sinuoso caminho de terra montanha acima.

20160707_Huayhuash_Pisco_2016_1216

Entre lagunas e picos nevados

A cordilheira é uma compacta cadeia de 20 montanhas principais, 6 delas ultrapassando os 6 mil metros de altura, unidas por glaciares azuis, salpicados de lagunas verdes. Há também esparsos, minúsculos e incaicos vilarejos incrustados nos vales, como os pueblos de Pocpa e Huallapa, onde a língua corrente é o quéchua.

20160705_Huayhuash_Pisco_2016_1245

Amanhecer na Cordillera Huayhuash

Duas décadas atrás, transitavam pela trilhas da cordilheira apenas pastores e guerrilheiros maoístas do movimento Sendero Luminoso. Com o fim da guerrilha e certa melhora no acesso, começaram a chegar, em pequenos grupos, montanhistas de todos os cantos do mundo.

20160707_Huayhuash_Pisco_2016_1213

Chegando ao acampamento

Éramos cinco: Fernando Cruz (nosso guia), Maria, Rita, eu e o Catalino (arrieiro) que tocava quatro burros carregando nossas barracas, tralhas de cozinha e comida para dez dias.

20160708_Huayhuash_Pisco_2016_1180-2

Rumo ao Paso Cuyoc

No primeiro dia, andamos, andamos, andamos, cerca de oito horas. Pouco antes do anoitecer, armamos acampamento, preparamos nosso jantar e descansamos até o amanhecer seguinte.

20160707_Huayhuash_Pisco_2016_1220

Acampamento à beira da laguna

E essa rotina se estabeleceu por dez outros dias. O que mudava era a paisagem deslumbrante, e o clima também. Pegamos chuva e neve por três dias no meio da travessia.

20160708_Huayhuash_Pisco_2016_1149

Sujeito a chuvas e trovoadas

Rita e eu percorremos a cordilheira em 2007. Nove anos mais tarde, voltamos para trazer Maria. Foi seu primeiro trekking de altitude. Algum Cordeiro precisa continuar caminhando quando eu parar.

20160710_Huayhuash_Pisco_2016_1079

Maria rompendo a barreira dos 5 mil metros, sorrindo…

Anúncios

Comments

  1. Elmar says:

    Ricardo, tu é **da !!! Me amarrei nos teus relatos aqui. A Rita, grande companheira de sempre, e agora com a Maria participando destas aventuras incríveis que você aqui muito bem tecnicamente e divertidamente nos brinda. Valeu, meu camarada, quem sabe um dia a gente se encontra novamente numa destas “quebradas”. Forte abraço pra você. Grande beijo pra Rita e Maria, que ainda não conheço mas já tenho grande admiração.
    Elmar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: